Dia a Dia Estilo de Vida mudando de país na terceira idade

DIVISÃO DE TAREFAS

Como  em São Paulo, já estou indo  aqui aos Vigilantes do Peso.  A monitora em SP me perguntou uma vez porque eu ía se eu não ficava nas reuniões nem  seguía o programa.  O motivo é psicológico, me obriga a me pesar uma vez por semana, sempre no mesmo dia, dessa maneira eu sei se estou ultrapassando o peso máximo que eu me permito ter (que já é bastante).  No caso disso acontecer,  com  alguns dias mais restritos consigo voltar ao meu teto.  Eu sei que eu deveria  perder peso para valer mas isso já exige muito esforço e inspiração, não sei quando isso acontecerá.

Este assunto sobre os Vigilantes só me veio à mente porque outro dia  eu fiquei  na reunião é o tema era  “reservar um pouco de tempo para você mesma”.  Este papo eu escutei a vida inteira no Brasil e sempre me fez sentir egoísta, porque eu nunca precisei desse conselho, quase que o contrário.   Nos Vigilantes o lema era: peça ajuda a sua família, divida as tarefas para ter mais tempo livre para você.

Agora, imaginem esta situação:   eu estou aqui na Suiça faz 15 dias, ocupada em mobiliar a casa, fazer as compras de supermercado e  cuidar da comida, quando  percebo,  de repente, uma camada enorme de poeira num dos poucos móveis .  CAIU A FICHA!  Tem que limpar a casa!    Como diz a minha nora:  SOCORRO!  Esta descoberta foi patética para mim, porque eu administro, cozinho e até ponho roupa na máquina numa boa, mas o gosto por limpar casa e passar roupa não entrou no meu DNA.

Como não tinha alternativa, optei por reservar um dia por semana para a limpeza, mas logo a minha filha percebeu que o meu serviço estava deficiente e começou a refazer  o que eu já tinha feito.  Rapidinho deleguei essa tarefa a ela e em compensação eu cozinho um pouco mais.   Não é que eu não cozinhasse antes,  mas  no começo comprava quase tudo pronto, tanto  por falta de utensílios quanto pelo medo de me enrolar.  Me sentia tolhida numa cozinha tão pequena.  Agora já acostumei.

Eu também detesto dirigir, assim que a tarefa de motorista ficou para o meu marido.

A tarefa de passear o cachorro está dividida entre todos.  Agora que o meu marido está viajando até o Diego, meu neto de 10 anos,  ajuda passeando o cachorro (às vezes).

Para ser justa com meu marido e minha filha, eles sempre ajudaram, mas era uma coisa desorganizada  assim que morando no paraíso da organização a gente entrou no esquema e realmente funciona muito melhor.   Agora temos:

Chauffeur: o Gê

Femme de menage: Kika

Chef: eu

E todo mundo tem quer servir de step, agora mesmo tive que interromper a escrita para servir de motorista de ambulância, tive que ir buscar o Diego na escola, porque caiu e machucou o cotovelo e o joelho, nada sério, mas não dava para voltar na sua patinete.

A organização tem suas vantagens, mas também tem seus lados negativos.  Esse post fica para outro dia.

 

 

Deixe um comentário